Resenha: A morte de Ivan Ilitch – Lev Tolstoi

Olá pessoal!

A resenha de hoje é sobre o primeiro livro de ficção que li de Lev Tolstoi, um dos grandes autores da literatura russa. Meu único contato com suas obras havia sido com um panfleto anarquista chamado “O reino de Deus está em Vós” há bastante tempo, então não foi com pouca ansiedade que aguardei pela oportunidade de finalmente me deixar envolver por sua produção artística.

062_01

Continuar lendo

Resenha: O Samurai – Shusaku Endo

Olá pessoal!

Hoje trago para vocês a resenha de uma obra que é bastante relevante em minha vida como leitor e também como escritor. Foi não apenas o segundo livro que li de Shusaku Endo como também o segundo que li proveniente da  literatura japonesa. Por conta das tarefas cotidianas eu adiei por muito tempo essa releitura, mas a minha nova aventura com ele finalmente aconteceu e agora compartilho minha experiência.

050_01

 

Continuar lendo

Resenha: I have no mouth and I must scream – Harlan Ellison

Olá pessoal!

A resenha dessa semana é de um conto de Harlan Ellison intitulado “I have no mouth and I must scream“. Infelizmente ele não possui ainda uma tradução ao português, mas podem ler esse título como “Não tenho boca e preciso gritar“.

Publicado pela primeira vez em 1967 em uma revista de ficção científica, ganhou um Hugo Award em 1968 e algumas reedições em uma coletânea de contos do autor e em uma outra seleção de contos. Ele acabou se tornando mais conhecido com a adaptação feita por Ellison da história em um jogo de computador lançado em 1995.

E, na realidade, esse foi o meu primeiro contato com ele. Ouvi falar do jogo há alguns anos e a atmosfera toda dele me capturou de uma maneira singular, mas acabei abandonando e não dei prosseguimento. À época, um grande amigo meu havia me cedido uma cópia do conto original, mas deixei-o engavetado durante todo esse tempo. Nunca o esqueci, mas sempre postergava a leitura pelas mais diversas razões.

Quando resolvi criar esse espaço e tive a ideia de fazer resenhas de leituras que estivesse fazendo, alguns poemas e romances vieram facilmente à minha mente, mas o primeiro conto que me apareceu à memória foi justamente esse. Considerei que seria uma boa oportunidade para ter a experiência com uma obra inédita para mim e ainda poder compartilhar da minha experiência com ela.
035_01 Continuar lendo

Resenha: Soneto 5 – Luís de Camões

Olá pessoal!

A postagem de hoje é uma resenha do Soneto 5 de Luís de Camões, o grande poeta de nossa língua portuguesa. É muito provável que já tenham tido contato com ao menos parte desse texto em músicas ou alguma coisa similar.

De certa forma, esta é uma postagem complementar àquela em que falamos de Alegoria e Símbolo já que acabei usando a mesma obra de C. S. Lewis para tornar mais claro alguns dos elementos do poema. Contudo, não há a necessidade de lerem um para entender o outro, mas basta que saibam que alegorias e poesias de amor cortês eram uma combinação usual durante a Idade Média e o Renascimento.

Pode parecer estranho falar de “resenha” quanto a um poema e, como provavelmente ficará mais esquisito, eu também teço algumas considerações e análises sobre ele. Já trabalhei isso anteriormente em uma postagem minha em outro site que podem encontrar aqui, mas, resumidamente, fazer uma resenha envolve uma coisa muito simples: a compreensão (e não o juízo) de uma coisa qualquer.

E a compreensão envolve não apenas a nossa relação com uma obra de arte, mas também a comunicação do sentido que percebemos nela. E é disso que tratamos aqui: quero apenas mostrar a vocês o sentido que esse soneto mostrou para mim.

014_01 Continuar lendo

Resenha: Além do Planeta Silencioso – C. S. Lewis

Olá pessoal!

Admito que foi um pouco difícil definir qual releitura minha seria a escolhida para iniciar este espaço. Afinal, embora goste de muitas obras diferentes, considerei iniciar com algum autor que tivesse sido de fundamental importância em minha formação como escritor e, por que não, como pessoa. E, dentre todos os que enquadro nesta categoria, sem sombra de dúvida Clive Staples Lewis (1898-1963) tem posição de destaque.

002_01 Continuar lendo